8 de agosto de 2013

Eliana fala de sua trajetória em entrevista à coluna de Mônica Bergamo

http://daquidali.com.br/media/images/eliana-da-entrevista-a-coluna-de-monica-bergamo-da-folha-de-sao-paulo/folha_dentro_img_principal.jpg 
Prestes a comemorar 25 anos de carreira, Eliana foi entrevistada pela coluna de Mônica Bergamo, publicada pelo jornal Folha de S. Paulo nesse domingo (4). Sob o título “Eliana para Maiores”, a matéria destaca a vice-liderança consolidada pela comunicadora no cobiçado espaço dominical televisivo e relembra o início de sua trajetória. “Tudo é uma conquista, não sou deslumbrada com dinheiro e status, quero mais é trabalhar”, afirma.
Primeira mulher a apresentar uma atração no domingo, ao falar da concorrência ela frisa que o conteúdo e a qualidade são pontos altos de seu programa no SBT. “Não queremos brigar pela audiência, mas construí-la. Tem coisas básicas que atrai o público: sensacionalismo, assistencialismo, desgraça alheia. São fórmulas, mas de vida curta”, diz.

Antes de conquistar o sucesso como uma apresentadora para toda a família, Eliana trabalhou com o público infantil. Foi apenas ao ingressar na Record que aumentou a idade de seus fãs e batalhou duro para ganhar espaço e respeito. “Fiz terapia e fonoaudióloga na transição para o adulto. Fiquei oito meses me preparando. (...) Quando ligava as câmeras, minha voz já vinha em um tom mais doce”, recorda.

A sua vida em família também ganhou destaque na matéria. Filha de um zelador e de uma diarista, Eliana ressalta o orgulho dos pais e de tudo que conquistou. “Desde cedo aprendi com as dificuldades e a enfrentar de forma positiva as diferenças sociais e culturais. Não é porque venho de uma família simples que não posso me abastecer de cultura e aprimorar meu gosto”, lembra. Casada com João Marcelo Bôscoli, filho de Elis Regina, ela diz que o filho, Arthur, terá orgulho de saber de suas origens. “É uma herança linda. Meu filho vai ter muito orgulho de saber que é neto dela. (...) Assim como terá muito orgulho de saber quem são seus avós maternos. Meu pai e minha mãe não trabalharam na música, mas fizeram sua história”, completa.

Este Post é

0 Comentários:

Postar um comentário