9 de outubro de 2013

SBT abre espaço para pedófilos; Entenda

http://noticias.r7.com/blogs/pense-nisso/files/2013/10/casos.jpeg 
A grade de programação das TVs muitas vezes põe o telespectador numa espécie de montanha russa de hospício, tal o disparate das atrações. Na forma e no conteúdo. Foi o que aconteceu na noite de segunda-feira (7), no SBT. Logo depois de Ratinho entrevistar a presidente Dilma, e tratar de assuntos pertinentes à governabilidade do país, a emissora emendou o Casos de Família, apresentado por Cristina Rocha. Como o nome revela, o programa explora os dramas familiares, com uma crueza assustadora, que chega a suscitar dúvidas sobre a veracidade dos depoimentos. Não achei que tenha sido o caso. O tema do dia foi os homens que gostam de mulheres mais jovens.

O programa focou dois casais formados por homens com mais de 50 anos e suas mulheres, de 19 e 25 anos. O problema não estava  na extraordinária diferença de idade, mas nas idades de quando começaram a viver juntos: 44 e 11 anos; e 49 e 9 anos. Um dos casais tinha um filho e o outro três. Ou seja, eram pedófilos assumidos. Dito de outra maneira: o programa ouviu criminosos discorrerem sobre seus crimes. E eles fizeram com regozijo. Arquétipos do que há de mais perverso no machismo brasileiro. Garanhões de araque,  "Bahia" e "Paraíba", apelidos da dupla, ficaram tão à vontade naquele cenário dantesco, que o último não teve nenhum embaraço para dizer "que sempre gostou de criança". Assim, sem delongas. Na cara dura.

A única pessoa ali que pareceu embaraçada foi a própria Cristina. Interrompeu o programa inúmeras vezes para mostrar a campanha do governo contra a pedofilia. Soou esquisito. Foi como se alguém falasse que açúcar faz mal à saúde e, em seguida, fosse ouvir dois confeiteiros sobre como fazer doces deliciosos. Mas, se ela e direção do programa sabem que pedofilia é crime, e dos mais violentos, por que resolveram dar espaço para dois criminosos contarem as suas façanhas? Não ficou muito claro, mas pelo que entendi, eles não podem mais serem penalizados pelos crimes que praticaram. Cristina chegou a dizer para um deles ficar tranquilo, que ninguém ia ser preso. Eles podem ter saído dali para uma churrascaria, mas, para mim, deveriam ter ido direto para a cadeia. Foi o que também sugeriu uma jovem da plateia.

As duas garotas, vítimas desde cedo da degradação familiar, não pareciam cientes dos abusos cometidos pelos dois. Defenderam como puderam seus, como direi, maridos. O interessante é que enquanto as mulheres faziam de tudo para aliviar a barra deles, a filha de "Bahia", também presente, repetia que o pai era sem vergonha. Em determinado momento agradeceu por ter ficado longe dele, dos dois meses até os 18 anos. Não é necessário explicar a força deste agradecimento.

Agora, vejam como tudo esteve fora de rumo na segunda à noite no SBT. A mesma Dilma, que antecedeu o Casos de Família, acordou ontem com um compromisso oficial na Conferência Global sobre Trabalho Infantil. Na sua fala pediu a cooperação internacional para o combate à exploração sexual e à pornografia de crianças e adolescentes. "um enfrentamento desses crimes apenas terá êxito com ação firme e coordenada de todos nós". Pois é.

Em tempo: o programa deu 3.9 pontos de audiência, uma das piores da sua história. Não deixa de ser uma forma de justiça.

Este Post é

0 Comentários:

Postar um comentário